Morrer sim, mas devagarinho?

Crónica de Francisco Teixeira da Mota, Jornal Público, 04.03.2016

737915

“Remontam ao século III antes de Cristo as primeiras referências à prática da eutanásia no território que viria a ser Portugal. Já o historiador…”

É falso. A citação é falsa. A eutanásia é crime e ninguém no nosso país iria praticar crimes e muito menos relatá-los. Há um relato literário sobre o assunto no conto O Alma-Grande de Miguel Torga e é tudo. Ainda por cima, é um crime que não tem vantagens económicas. Seria praticado, muito provavelmente, a pedido da vítima, por misericórdia ou compaixão perante um sofrimento intolerável de um nosso semelhante. É por demais evidente que uma situação dessas não pode existir, nem nunca existiu.

As recentes palavras da bastonária dos enfermeiros no programa de rádio Em Nome da Lei são a prova provada de que tal realidade não existe no nosso país. Na verdade, a bastonária referiu que tinha assistido a médicos sugerirem a administração de insulina para provocar o coma, acrescentando que não estava a dizer que o faziam, mas sim que era preciso falar dessas situações. Inquirida pela pela jornalista, não negou a existência de situações ilegais, dizendo o suficiente para conseguir, como pretendia, que a questão fosse discutida para além do imediato impacto do programa radiofónico em que participava.

Na Ordem dos Médicos (OM), talvez em função de posições individuais relativamente à legalização da eutanásia, as declarações da bastonária foram motivo para uma série de denúncias, como resulta do teor do comunicado imediatamente publicado. A OM participou os factos a diversas instituições, entre elas, o Ministério Público, para — dá sempre gosto lê-lo — “os procedimentos tidos por convenientes”. Salvo melhor parecer, diria que, em vez de fazer “queixinhas”, a OM podia e devia, por si só, informar-se e informar-nos directamente e sem preconceitos.

Declaração de interesses: sou a favor da eutanásia e subscrevi o recente manifesto Direito a Morrer com Dignidade. Não o fiz propriamente por achar que há um direito a morrer ou por qualquer razão jurídica. Não o fiz por considerar que a morte sem recurso à eutanásia e após grande sofrimento não possa ser digna. Claro que pode. E claro que se pode defender que a disposição da nossa Constituição que determina que “a vida humana é inviolável” não permite a legalização da eutanásia. Como, de resto, se afirmou relativamente à legalização da interrupção voluntária da gravidez. Mas são meras construções jurídicas e a questão de fundo não me parece ser jurídica.

É uma questão de concreta humanidade e amor ao próximo. Aceitar a legalização da eutanásia exige-nos a capacidade de aceitar que o “outro em sofrimento” não queira viver um pesadelo existencial sem outra saída que não seja a morte e possa evitar esse pesadelo e pôr termo à vida de uma forma não clandestina e angustiada mas antes, tanto quanto possível, tranquila e em paz. É também a possibilidade de alguém a quem amamos não ter de sofrer absurdamente.

Claro que, se neste drama existencial introduzirmos a religião e, nomeadamente, a convicção de que a vida humana é sagrada e que só Deus a dá e a pode tirar, a equação — que não é fácil — torna-se muito complicada. Compreende-se perfeitamente que o Papa e outros responsáveis religiosos, bem como muitos crentes sejam contra a eutanásia e contra a interrupção voluntária de gravidez, mas também há certamente muitos crentes que não o são. A própria bastonária dos enfermeiros defendeu que, para si, não havia incompatibilidade entre a sua fé e a defesa da eutanásia. Como é evidente, uma eventual legalização da eutanásia exigirá sempre não só uma prudente regulamentação, como o respeito de todas as objecções de consciência.

É certo que, como muitos dos opositores da legalização da eutanásia referem em defesa da sua posição, haverá casos de pessoas que, tendo afirmado o seu desejo de morrer, vêm mais tarde a agradecer o não terem sido ajudadas a morrer. Era o desespero da dor e do momento e tais testemunhos — ainda que relatados por terceiros — são impressivos. Neste campo dos testemunhos, os defensores da legalização estão mais fragilizados, já que os mesmos se revelam muito difíceis de obter: quantos testemunhos e agradecimentos se podem relatar de pessoas que, por terem sido ajudadas a morrer, se viram poupadas a terríveis sofrimentos que não queriam viver e que não viveram?

Verdade seja dita que estou absolutamente convencido de que a maior parte das pessoas tem uma opinião pró ou contra a eutanásia e que não serão mais ou menos debates que a modificarão. A legalização da eutanásia deverá ser decidida na Assembleia da República ou em referendo? Não sendo favorável ao referendo, reconheço que tem, indiscutivelmente, uma enorme vantagem: uma muito maior legitimação da decisão aos olhos da opinião pública e dos transitórios ocupantes das cadeiras do poder, pelo que dificilmente seria revogada sem ser por outro referendo.

Advogado

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s